7.2.06

B.O. assinado


Pela primeira vez na História, o registro das atividades de um acusado na internet serviu para condenar um assassino. Provou-se que o americano Robert Petrick, suspeito de matar a mulher Janine em 2003, havia procurado no Google as palavras "pescoço", "quebrar", "partir" e "segurar" quatro dias antes do crime. Petrick também pesquisou a profundidade do lago onde jogou o corpo. Pegou perpétua. O caso ocorreu em Raleigh, capital da Carolina do Norte. (Fonte: Época nº 401)

2 comentários:

Olheiro da Desgraça disse...

Google cagüeta do caralho

Serjones disse...

Escreveu, não leu. O pau cumeu.