20.3.13

Clássicos da pornochanchada: O Inseto do Amor (1980)


Atualmente falta picardia nas comédias brasileiras, coisa que as pornochanchadas tinham de sobra nos anos 70 e 80. As comédias eróticas produzidas na Boca do Lixo de São Paulo nessas duas décadas atraíam uma multidão de pessoas para as salas de cinema, graças aos dotes físicos de atrizes como Helena Ramos, Nicole Puzzi e Matilde Mastrangi, entre tantas outras musas do cinema nacional. Mas também por causa de argumentos engraçadíssimos, como o do filme O Inseto do Amor (1980), do diretor Fauzi Mansur.

Naquela época os cartazes dos filmes eram um convite à parte para fisgar a atenção do público. No traço do ilustrador gaúcho Benício, o cartaz de O Inseto do Amor trazia a imagem de um mosquito aumentada por uma lupa no momento em que ele dava uma ferroada maliciosa em um traseiro feminino. Em segundo plano aparecem as caricaturas de astros como John Herbert, Helena Ramos, Rossana Ghessa, Serafim Gonzalez, Angelina Muniz e Arlindo Barreto sob o efeito da picada do Anophelis sexualis, nome científico do tal inseto do amor.

Com roteiro do próprio diretor e do escritor Marcos Rey, o filme começa com o cientista Hans Muller (interpretado por Carlos Kurt, o eterno vilão dos filmes dos Trapalhões) fazendo uma expedição à selva amazônica. Ele foi até a Amazônia coletar alguns mosquitos para estudo, pois já tinha ouvido falar das propriedades afrodisíacas do Anophelis sexualis. Hans leva os espécimes para um hotel em Ilhabela, no litoral paulista, onde ele está hospedado. Ao saber da presença dos insetos na cidade, a população entra em polvorosa.

Continue lendo o restante do texto aqui.

3.3.13

Sady Baby na clandestinidade: cabelos pretos e curtos


Após ser acusado pela polícia de forjar seu suicídio em agosto de 2008, o espiríto de Sady Baby se manifestou no meu telefone celular dois dias antes do Natal de 2010: "Sucesso e muitas bucetas + 1 tempo fora. Tô muito bem. Tu vai se surpreender". Retornei imediatamente para o número de telefone que aparecia na mensagem, mas ninguém atendia as ligações nem retornava os torpedos. Sady ainda iria ficar mais algum tempo recluso.

Menos de um ano depois, em agosto de 2011, finalmente recebi uma ligação do cineasta, que, às gargalhadas, se identificava por seu novo nome na clandestinidade. Combinamos de nos encontrar em um jogo do Corinthians no Pacaembu, pois fazia tempo que Sady não via uma partida do Timão. Foi no porta do estádio que encontrei o diretor de clássicos como "Emoções sexuais de um jegue" e "No calor do buraco" com um novo visual: de cabelos curtos e pintados de preto (no lugar de seu tradicional penteado de ovelha, com cachos loiros).

Sady explicou que estava esperando alguns processos judiciais expirarem para ressuscitar com sua identidade verdadeira e dar continuidade a um novo projeto "artístico", pois os anteriores foram interrompidos após uma operação da Polícia Federal dias antes de ele "pular para a morte no Rio Uruguai". Mas, no começo da semana passada, Sady foi desmascarado durante uma abordagem da Polícia Rodoviária Federal na cidade de Caxias do Sul (RS). Havia contra ele um mandado de prisão por estelionato, após a Polícia Civil de Caçador (SC) receber uma denúncia que Sady estava realizando compras em vários estabelecimentos comerciais da região com cheques sem validade e em nome de terceiros.

Sady foi preso ao lado da atual mulher. Sobrou até para a sogra do cineasta, que foi detida horas depois sob a suspeita de receptar os produtos adquiridos com os cheques frios. Agora a situação ficou insustentável para Sady, pois além dos processos de uso de adolescente em filme pornográfico e da falta de pagamento de pensões alimentícias, o cineasta vai responder agora pelos crimes de estelionato e falsidade ideológica. E a Polícia Civil de Santa Catarina está tentando localizar possíveis vítimas de golpes em outras cidades do Estado, o que pode engrossar mais ainda a pena de Sady. Por enquanto, Sady está no calor do buraco de uma das celas do Penitenciária Industrial de Caxias do Sul.