5.9.06

Formandos de jornalismo da UFRJ escolhem Mallandro como paraninfo


Talvez seja por saberem que o nível do jornalismo brasileiro anda tão baixo ultimamente que os formandos em Comunicação Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) resolveram convidar Sergio Mallandro como paraninfo. E olha que os estudantes de jornalismo tinham a opção de escolher nomes como Artur da Távola, Humberto Eco e Chico Buarque de Holanda. Mallandro disse ter ficado emocionado ao ser eleito entre esses nomes.
Para a infelicidade dos estudantes, Serginho Mallandro chegou a cobrar R$ 8 mil de cachê para comparecer na UFRJ. Ele abaixou o valor para R$ 2 mil, mas os universitários desistiram de contar com a presença do apresentador de TV em sua festa de formatura. Mallandro alegou depois que sua produção imaginou que o convite era para um show, por isso o pedido do cachê. Ao saber que era uma homenagem, o apresentador disse que comparecerá de graça ao evento.
Sergio Mallandro nasceu no Rio de Janeiro em 1957. Começou sua carreira na televisão como jurado do programa Show de Calouros, apresentado por Sílvio Santos. Alguns anos depois, o dono do SBT deu a oportunidade ao jurado apresentar o programa infantil Oradukapeta, um sucesso nos anos 80. Nos anos 90, Mallandro transferiu-se para a Rede Globo. Ele apresentou na emissora da família Marinho o programa Show do Mallandro, foi aluno da Escolinha do Professor Raimundo e substituiu Xuxa no infantil Xou da Xuxa.
Mallandro também tem uma vasta experiência no cinema nacional. Atuou nos filmes Tudo Acontece em Copacabana (1980), A Mulher Sensual (1981), Menino do Rio (1982), O Trapalhão na Arca de Noé (1983), Garota Dourada (1984), As Aventuras de Sérgio Mallandro (1985), Sonho de Verão (1990), Lua de Cristal (1990) e Inspetor Faustão e o Mallandro (1991).
Depois de enfrentar uma geladeira na Rede Globo, Serginho Mallandro retornou ao SBT em meados dos anos 90, onde voltou a fazer o quadro Porta dos Desesperados, um dos sucessos do infantil Oradukapeta. Mais uma vez Mallandro deixa o SBT e vai parar na TV Gazeta no final dos anos 90, onde comanda o programa “Festa do Mallandro”, clássico do trash na televisão brasileira. Pegadinhas e os corpos das Mallandrinhas eram os principais atrativos do programa. Mallandro levou o programa ainda para a Rede TV, que acabou depois de retornar para a grade da TV Gazeta.
“Festa do Mallandro” foi marcado por várias polêmicas. Um ator acabou detido pela polícia ao usar uma arma de verdade durante uma pegadinha e a mallandrinha Vivi, que anos mais tarde viraria atriz pornô, acusou Mallandro de assédio sexual. Um outro ator depois acusou o apresentador de ter platina no nariz de tanto cheirar cocaína. Mallandro negou a acusação, mostrando na época um exame do Instituto de Medicina Social e de Criminologia de São Paulo (Imesc). Outro fato polêmico foi o apresentador mostrar um trabalho do Corpo do Bombeiros, acompanhado por toda a imprensa, como sendo uma pegadinha (para saber detalhes disso, clique aqui, dê Control + F e digite pegadinha no campo de busca).
Longe da televisão, Mallandro virou cult ao voltar a fazer shows com o revival promovidos por festas como as organizadas pela casa noturna Trash 80´s. Mallandro participou de uma música do primeiro CD da banda de heavy metal Massacration, criada pelos integrantes do humorístico Hermes e Renato da MTV, que têm o apresentador como uma das fontes de inspiração de suas piadas toscas. A popularidade de Mallandro aumentou ainda mais quando um dos humoristas do Pânico da TV começou a imitá-lo em um quadro.
Essa é a contribuição de Serginho Mallandro para a comunicação brasileira. Em retribuição ao convite para ser paraninfo dos formandos da UFRJ, o apresentador promete voltar para a televisão com um programa voltado ao público universitário. Depois dessa, a gente sabe porque a bancada dos universitários do programa Show do Milhão do Sílvio Santos não era tão confiável ao oferecer ajuda aos participantes do programa. Rá!

3 comentários:

DIego disse...

Malandro ROx...
O motivo pra convidar ele, é querer festa
Ou ironizar a Festa
Mas o importante é festa.kkk

Anônimo disse...

Péssimo gosto escolher esse lixo e escroto como paraninfo.
E o nóia ainda se acha engraçado.
Seus tontos e ainda para piorar cariocas, fizeram faculdade para piorarem os suas cabeças já ocas.

Anônimo disse...

muito boa escolha ,,,,,,,ele realmente representou muito anossa infancia e agora podemos relembralo dela olhando para ele raaaaa ,,,to com vc mallandro